Como saber se uma empresa atende aos seus critérios?

Para começar a investir em ações, você precisa primeiro escolher em quais empresas deseja colocar o seu dinheiro. Para fazer isso, você precisa definir critérios de seleção.

O próximo passo é analisar as empresas para ver quais antendem aos seus critérios. O investidor de longo prazo raciocina com critérios relacionados aos fundamentos da empresa. Para essa fazer essa análise, a melhor técnica é utilizar os demonstrativos de resultados das empresas.

No artigo “Escolhendo uma empresa” definimos alguns fatores com os quais trabalhar para definir critérios de seleção de empresas. Agora você verá como encontrar e interpretar essas informações.

Os critérios descutidos aqui serão:

GOVERNANÇA

Governança Corporativa é um termo que indica costumes e métodos utilizados pelos gestores da empresa na condução de suas atividades.

Uma empresa que negocia suas ações na Bolsa de Valores busca obter dinheiro para financiar suas atividades, em troca, cada comprador de uma ação se torna um novo sócio na empresa. Algumas empresas não querem ter como sócio os pequenos investidores (aqueles que possuem apenas algumas ações) e costumam tomar decisões que acabam prejudicando esses investidores minoritários.

O pequeno investidor pode identificar essas empresas observando algumas características:

  • Poucas ações em circulação (Free Float pequeno);
  • Não respondem ou respondem de forma evasiva os questinamentos enviados ao seu Relação com Investidores (RI);
  • Não possuem ações ORDINÁRIAS em negociação, ou que têm liquidez baixa
  • Remuneram de forma desproporcional os seus diretores;
  • São pouco transparentes nos seus resultados e costumam sempre justificar resultados ruins como fatores alheios ao controle da empresa;
  • Demonstram intenções de fechar capital.

Se uma empresa não deseja ter sócios minoritários ou mostra ter uma gestão ruim, esta não será uma boa empresa para o pequeno investidor.

O pequeno investidor deve-se lembrar que não poderá interferir nas decisões e nos rumos da empresa, por isso, é preciso que ele concorde com a forma como a empresa é administrada e trata seus pequenos investidores.

Aspectos positivos de governança incluem:

  • Free Float grande e pouca concentração de ações em um único sócio majoritário.
  • RI que responde de forma rápida e clara a todos os questionamentos enviados pelos investidores.
  • Priorizam possuir apenas ações Ordinárias com Tag Along de 100%;
  • Remuneram seus diretores com salarios adequados e com remuneração extra baseado nos resultados da empresa e não na Receita obtida;
  • Apresentam demonstrações transparentes, deixando claro os resultados alcançados e as expectativas dos diretores;
  • Utilizam suas reservas de lucro para recomprar ações, aumentando a participação de cada acionista na empresa;

Você pode obter essa informações através da área de investidores nos sites das empresas, através da página da empresa no site da Bm&FBovespa e através das diversas comunidades e forums sobre investimentos existentes na internet.

LUCRO

Ao se tornar sócio de uma empresa, um dos objetivos do investidor é receber a sua parte dos lucros.

Além disso, empresas que dão lucro constatemente e conseguem fazer seus resultados melhorarem ao longo do tempo são aquelas cuja ação mais se valoriza no longo prazo.

Ao se analisar lucro , o pequeno investidor deve buscar:

  • Lucro consistente ao longo do tempo
  • Crescimento ao longo do tempo

Para se conhecer o lucro de uma empresa, deve-se analisar a Demonstração de Resultado de Exercício.

O local mais adequado para se obter a DRE é na página da empresa no site da Bm&FBovespa, pois é onde estão as informações consideradas oficiais.

O investidor deve analisar um período de 5 a 10 anos e observar o comportamento da Receita (total de dinheiro que a empresa recebeu em suas atividades) e do lucro (dinheiro que a empresa ganhou após serem descontadas as despesas da Receita). Boas empresas costumam apresentar:

  • Receita crescendo de forma estável ao longo do tempo
  • Lucro crescente ao longo do tempo mantendo proporção constante em relação à Receita

Empresas que apresentam resultados erráticos, com lucros que variam muito ou aternam com prejuízos não oferecem boas perspectivas no longo prazo. Resultados assim demonstram que a empresa é afetadas por fatores alheios a sua vontade ou então a Direção da empresa não esta fazendo um bom trabalho. É provável que a empresa se endivide para compensar os prejuízos e acabe se tornando insustentável no longo prazo.

Existem sites como o Fundamentus e Bastter que oferecem tabelas já prontas com os resultados históricos das empresas, facilitando a análise.

Se você tiver tempo, é bastante produtivo analisar você mesmo os resultados e ler os os Releases das empresas, que são documentos onde a empresa apresenta seus resultados com observações, análises e expectativas dos Diretores (disponíveis nos sites das empresas).

Lendo estes documentos ao longo do tempo você pode acompanhar se os Diretores cumprem o que prometem e fazem um bom trabalho na empresa.

DÍVIDA

Empresas usam dívidas de forma um pouco diferente das pessoas físicas. Uma empresa é capaz de agregar muito valor ao produto que vende, algumas vezes tendo ganhos que são maiores do que os juros cobrados em uma dívida. Nessa situação, a empresa pode pegar dinheiro emprestado, utilizá-lo para produzir seu produto e receber mais do que o suficiente para pagar os juros da dívida e ainda obter lucro.

Por que seria vantajoso para um empresa fazer dívida?

Se a empresa consegue obter um ganho suficiente para pagar os juros e ainda ter lucro, pode ser vantajoso para ela utilizar dinheiro de terceiros para financiar suas atividades enquanto guarda o próprio dinheiro para outras coisas como investimentos, remuneração de acionistas ou recompra de ações.

Outros motivos utilizados pelas empresas para contrairem dividas podem ser:

  • Conseguir capital para investimentos na empresa, visando crescimento no futuro
  • Pagar dívidas de curto prazo
  • Financiar grandes aquisições (como quando uma empresa compra outra)

Qualquer que seja o motivo, a prncipal preocupação do investidor deve ser se a dívida da empresa esta sob controle. Assim como qualquer pessoa, uma empresa pode perder o controle das dívidas e ver seus resultados prejudicados.

Como analisar a dívida de uma empresa?

Inicialmente é interessante saber o perfil da empresa. Nos documentos em que as empresas divulgam seus resultados (chamados de Releases), os diretores costumam tecer comentários a respeito da política de endividamento da empresa.

Agumas empresas são conservadoras e evitam dívidas a todo custo, enquanto outras tem como característica alto endividamento buscando um crescimento rápido.

Conhecendo a política da empresa suas análises serão mais coerentes.

Para analisar o endividamento de uma empresa:

  • Identifique a dívida de curto e longo prazo
  • Compare a dívida em relação a Receita, Lucro, Patrimônio Líquido e Caixa da empresa
  • Observe os resultados da empresa ao longo do tempo
  • Analise o Demonstrativo de Fluxo de Caixa com atenção ao fluxo de investimentos e financeiro

Identificando a dívida:

Para identificar o valor bruto da dívida de uma empresa, você deve observar o Balanço Patrimonial e, na coluna da direita (PASSIVO), procurar pelas linhas que indicam “Financiamentos”.

Lembre-se que no Passivo Circulante estão as obrigaçõe da empresa para os próximos 12 meses e portanto, são de curto prazo. No Passivo Não-Circulante estão as dívidas de longo prazo.

Compare a dívida em relação aos ganhos da empresa:

Depois de verificar quanto a empresa deve, é preciso verificar se ela tem condições de pagar.

Se a empresa possui um Caixa (dinheiro em mãos) maior do que a dívida, ela está numa situação confortável pois pode quitar a qualquer momento. Na verdade pode-se considerar a dívida como inexistente nesses casos.

Se a empresa não possui Caixa, mas consegue pagar as dívidas com apenas uma parte do Lucro que obtém em um ano, também estará em uma situação controlada.

Em qualquer outro caso, é preciso analisar com mais critério. Quando uma pessoa não tem dinheiro para pagar o que deve, ela têm duas opções: fazer outra dívida ou vender alguma coisa que possui. Para empresas não é diferente, por isso, se a dívida é muito maior do que o Lucro ou a Receita anual da empresa, é preciso ter cautela. De forma geral:

  • Dívidas que eqivalem a mais de quatro vezes o lucro anual da empresa podem se tornar insustentáveis a não ser que seja uma característica da empresa o alto endividamento para conseguir crscimento.
  • Dívidas acima do valor do Patrimônio Líquido indicam alto endividamento.

Dívidas de curto prazo são as mais críticas, pois precisam ser pagas logo. Compare essa dívida com a Receita, o Lucro e o Caixa da empresa e veja se atualmente ela tem condições de quitar os valores devidos. Em caso negativo, é muito provável que ela tenha que se endividar ainda mais para conseguir evitar o calote.

A dívida de longo prazo é menos crítica mas também deve estar sob controle. Compare os valores com a Receita, o Lucro Líquido e o Patrimônio Líquido da empresa para ter certeza de que a empresa não está se endividando demais.

Observe os resultados da empresa ao longo do tempo:

Analisar os resultados dos últimos cinco a dez anos também é muito produtivo. Uma empresa que aumentou seu endividamento para conseguir melhorar seus resultados e que depois de um tempo não atinge esses objetivos, tem grandes chances de começar a ver os resultados piorarem porque os juros da dívida começam a se tornar significativo nas despesas na empresa e prejudicam o lucro.

Leia os Releases da empresa para descobrir em que ela está investindo e qual seus objetivos. Depois, analise se o endividamento e o investimento têm trazido impacto na Receita e no Lucro da empresa.

Resultados positivos trarão reflexos como:

  • Aumento do Patrimônio Líquido
  • Aumento da Receita Líquida
  • Aumento do Lucro Líquido

Analise o Demonstrativo de Fluxo de Caixa

Quando uma empresa está investindo em novas peças e equipamentos visando aumentar a produção e conseguir ter mais lucro, o investidor verá:

  • Aumento no Patrimônio Líquido da empresa
  • Lançamentos de saída de dinheiro (negativos) no Fluxo de caixa de Investimento

Para saber quanto do dinheiro da empresa está sendo utilizado para pagar dívidas, observe o Fluxo de caixa Financeiro:

  • Captações indicam dinheiro que entrou na empresa oriundo de financiamentos
  • Amortizações de juros, indicam os valores pagos em juros
  • Amortização de principal indica a parcela da dívida que está sendo quitada

Fluxo de Caixa Financeiro positivo indica que a epresa está contraindo dívidas.

Compare o pagamento de juros com as Receitas que a empresa obtém nas suas atividades. Se a empresa gasta mais do que ganha com juros, a situação será insustentável no longo prazo.

POLÍTICA DE DIVIDENDOS

Analisar a política de dividendos da empresa vai lhe ensinar o que a empresa faz com o dinheiro que ganha.

Existem empresas que buscam reinvestir o lucro no próprio negócio, buscando crescer ao longo do tempo, são as chamadas empresas de crescimento.

Outras, preferem distribuir a maior parte dos lucros aos acionistas, são as chamadas empresas de dividendos.

Em empresas de crescimento, é de se esperar um crescimento do Patrimônio, da Receita Líquida e do Lucro ao longo do tempo, do contrário, o dinheiro da empresa não está sendo bem utilizado.

Já em empresas de dividendos, espera-se um Pay Out alto e um crescimento lento.

É comum também que as empresas guardem parte dos lucros em uma Reserva. Mais tarde esse dinheiro pode ser utilizado para outras coisas como:

  • Recompra de ações: a empresa compra uma parte das ações que estão em circulação na Bolsa. Isto é positivo para os investidores porque aumenta o percentual das ações que possuem em relação ao total.

O investidor precisa ficar atento com empresas que pagam dividendos mesmo quando tem resultados ruins. Em épocas de crise ou quando há piora nos resultados , é de se esperar que a empresa guarde uma parte maior do lucro para eventuais necessidades (evitando ter que se endividar) e deixe ou diminua o pagamento de dividendos. No entanto, algumas empresas mantém o pagamento de dividendos mesmo quando seus resultados estão se deteriorando. Essa é uma situação insustentável no longo prazo e deve ser analisada com cuidado. Na amioria das vezes esse pagamento é mantido apenas porque é de interesse dos sócios majoritários receber os dividendos.

LIQUIDEZ

Antes de começar a comprar ações da empresa que escolheu, você precisa conhecer a liquidez delas, pois não adianta querer investir em ações que possuem baixa liquidez.

Para conhecer a liquidez, observe se a empresa possui um bom Free Float.

Em seguida, acesse seu Homebroker e veja quantos negócios aconteceram no dia com aquela ação. Procure por ações que possuam pelo menos 100 negócios por dia, número suficiente para um pequeno investidor.

Caso deseje aplicar quantias grandes, procure por ações mais líquidas, do contrário, em uma situação em que você queira vender suas ações, não conseguirá.

MÚLTIPLOS

Uma outra forma de análise é através dos múltiplos. Múltiplos são números que se obtém ao comparar dois valores dos resultados da empresa. Em qualquer um deles é preciso ficar atento a possíveis distorções.

Caso queira saber mais, leia o artigo MÚLTIPLOS.

Compartilhe este artigo:

TwitterFacebookGoogle+BufferPin It