INVE$TINDO

Aprenda a investir de forma simples e rápida!

Taxa Selic

O que é o SELIC?

SELIC significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia.

O SELIC é um sistema informatizado do Banco Central onde se negociam títulos de dívida do governo. Participam do sistema o Banco Central, o Tesouro Nacional, bancos e outras instituições financeiras.

Trata-de de um sistema informatizado que gerencia todos os processos afetos aos títulos públicos da dívida interna. É este sistema que:

  • Emite os títulos da dívida pública;
  • Faz o pagamento quando alguém resgata algum título;
  • Faz o registro de quem possui qual título e em que quantidade; e
  • Processa as compras e vendas entre os participantes.

O que é a taxa SELIC?

A taxa SELIC é uma média dos juros que foram cobrados em financiamentos realizados durante o dia no sistema SELIC.

Os bancos, ao final do dia, devem ter em sua conta no Banco Central um certo valor depositado que é chamado de depósito compulsório.

Pode ser que, por algum motivo qualquer, alguns bancos terminem o dia com menos dinheiro do que deviam e outros com dinheiro sobrando.

Bancos que tem dinheiro sobrando emprestam dinheiro para os bancos que precisam de dinheiro. Em troca do empréstimo os bancos tomadores de recursos entregam títulos públicos. Sobre esses empréstimos se cobram juros.

Esses empréstimos lastreados (garantidos) por títulos públicos são realizados dentro do SELIC.

No final do dia, o sistema calcula a média da taxa de juros cobrada em todas as operações desse tipo e obtém o valor da taxa SELIC.

A taxa diária e o histórico podem ser obtidos no site do Banco Central.

Para que serve a taxa SELIC?

A taxa SELIC é utilizada como uma ferramentas de política monetária do Governo.

Emprestar dinheiro para o governo é considerado o empréstimo com o menor risco existente. Qualquer indíviduo ou instituição que deseje obter dinheiro emprestado, terá de oferecer pagar juros semelhante ou superior a que o governo brasileiro está pagando. Do contrário, é mais vantajoso e menos arriscado para quem empresta, comprar títulos públicos

Isso torna possível ao Banco Central (BACEN) tentar controlar os juros da economia como um todo, através de quanto ele oferece pagar pelos títulos públicos.

Manipulando o preço dos títulos públicos no mercado, o BACEN influencia na taxa de rendimento dos títulos.

Como os títulos serão utilizados como garantia nos empréstimos realizados no SELIC, os juros cobrados nesses empréstimos terão como base o rendimento oferecido pelos títulos públicos.

Os demais empréstimos, então, como aqueles que os Bancos oferecem para as pessoas, terão de ajustar suas taxas de acordo com o que ocorre no SELIC.

Assim, ao manipular a taxa SELIC, o BACEN manipula a taxa de juros que é utilizada como referência por todas as instituições financeiras e acaba influenciando nas taxas da economia como um todo.

Meta da taxa SELIC

A cada 45 dias, o Cômite de Política Monetária (COPOM) - formado pelo Presidente e diretores do BACEN - reúne-se e estabelece uma meta para a taxa SELIC.

Na reunião são avaliados fatores como:

  • Inflação;
  • Contas Públicas;
  • Atividade Ecônomica; e
  • Cenário Externo.

O resultado das reuniões pode ser conhecido através das atas.

Estabelecida a meta, o BACEN negocia títulos públicos junto aos participantes do SELIC, até conseguir fazer a taxa SELIC atingir valores dentro da meta estipulada.

Por que o governo determina metas para a taxa SELIC?

Controlando os juros, o governo consegue controlar a quantidade de dinheiro presente na economia.

  • JUROS ALTOS = Pouca gente pega dinheiro emprestado, menos dinheiro circula entre as pessoas; e
  • JUROS BAIXOS = Muita gente pega dinheiro emprestado, mais dinheiro circula entre as pessoas.

A quantidade de dinheiro disponível irá influenciar no consumo e nos investimentos que as pessoas e instituições fazem no seu dia a dia.

A teoria por trás dessa intenção de controlar a economia é baseada em algumas premissas como:

  • Controlando-se a quantidade de dinheiro, pode-se controlar a inflação; e
  • É preciso manter-se uma taxa de inflação adequada para que o sistema ecônomico funcione de forma equilibrada.

Assim, quando o governo quer estimular a economia e fazer as pessoas consumirem mais, ele estabelece metas mais baixas para a taxa SELIC, reduzindo o custo dos empréstimos e aumentando o dinheiro em circulação.

No entanto, excesso de dinheiro pode gerar um excesso de consumo e um consequente aumento dos preços caso a oferta de produtos não acompanhe a demanda dos consumidores.

Aumento do preços dos produtos significa que o dinheiro está perdendo valor, o que conhecemos como inflação. Inflação muito elevada faz com que as pessoas queiram gastar seu dinheiro o mais rápido possível, o que aumenta ainda mais o consumo e a inflação, gerando uma espiral negativa.

A partir daí, os produtos começam a escassear, não há mais capital disponível para que empreendedores possam melhorar a produção, empresas declaram falência, o desemprego aumenta e a economia entra em crise.

Tentando evitar essas situaçãoes extremas, o governo, ao perceber uma inflação acima da que é considerada como ideal, aumenta a meta da taxa SELIC, aumentando o custo dos empréstimos e diminuindo o dinheiro em circulação.

Com menos dinheiro, as pessoas consomem menos e, espera-se, a inflação fica sobe controle.

Referências:

ROQUE, Leandro. A taxa SELIC - o que é, como funciona e outras considerações. IMB, 2009. Disponível em https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=344

Última atualização: 2019-06-26